“Consenso Inc.” é um Bolsa Família para a miséria intelectual

capa do livro de Paula Schmitt
Articulista afirma que mérito do livro de Paula Schmitt é tirar o debate de caixas, acabando com a ditadura do que é certo e do que é errado; na imagem, capa do livro “Consenso Inc. - O Monopólio da Verdade e a Indústria da Obediência”

O livro Consenso Inc. – O Monopólio da Verdade e a Indústria da Obediência, da jornalista e articulista deste jornal digital, Paula Schmitt, é algo tão bom que é irresistível não começar a resenha com algumas metáforas: é um colírio para a alma, um listerine para refrescar a mente, um daqueles desodorantes que hidratam e dão uma sensação de frescor às sinapses. Para ser franco, o livro é tão bom que que talvez o único disclaimer que pudesse fazer é que mereceria um resenhista muito melhor.

Mas, como diria o Zagallo, vocês vão ter que me engolir!

Aliás, o livro de Paula Schmitt não diz isso, mas tem o mesmo DNA do “Velho Lobo”: é um bunker de argumentações sólidas e corajosas em meio à manada de vassalagem e maneirismos ao “conveniente”, ao “adequado”, ao que “pega bem” em que se transformou grande parte da narrativa e da “opinativa” preponderante em todos os meios, em todos os círculos.

“Consenso Inc.” é o nome do livro, mas é extraído de um conceito da autora, descrito sem meias palavras (como tudo que ela diz) na contracapa. “Consenso Inc. é o cartel informal, mas extremamente coeso entre governos, bancos, mídia e grandes monopólios que subverte a realidade e recria um mundo artificial, pavoroso, controlado e extremamente lucrativo”, diz ela. Para por aí? Não. É só o começo do porrete.

“Esse cartel ficou explícito na pandemia. Não foi por acaso que fez a imprensa tradicional ter mensagens tão homogêneas e categóricas. Aquela uniformidade não aconteceu porque a imprensa ‘seguia a ciência’, mas exatamente porque não o fazia. A prova disso está na unanimidade: só uma narrativa forçada e imposta de cima para baixo consegue ser tão embaraçosamente uníssona.”

Para Paula Schmitt, diferentemente de Nelson Rodrigues, toda unanimidade não é burra. Ao contrário. É fruto de alguma esperteza, de algum ardil, de alguma combinação de interesses poderosos que contam com a adesão subserviente ou engajada daqueles ou daquelas que amplificam a cartilha da ocasião, envenenando corações e mentes, transformando o “debate” num dogma a ser venerado sem contestação e qualquer voz dissonante num herege a ser jogado na fogueira. É contra essa profanação ao livre, necessário e saudável debate verdadeiramente honesto e intelectual, de ideias e não de bordões, que a autora e a coletânea de artigos se insurgem de forma desassombrada.

E o melhor de tudo é que Paula Schmitt não cabe em rótulos: é mulher (não cola o carimbo de misoginia), tem mestrado em estudos do Oriente Médio pela Universidade Americana de Beirute (não cola o “reacionária” raiz) e como jornalista entrevistou tanto um secretário-geral do Hezbollah quanto um ex-diretor do Mossad (também não cola a ideia de que tenha lados).

É exatamente essa irresignação com a domesticação deliberada ou acomodada do pensamento que leva “Consenso Inc.” a caminhar quase que o tempo todo pelo desconfortável, pelo campo minado, pela zona interditada do debate. E como uma mulher-bomba, sem medo da mina que explodir a cada passo, sem medo da rajada que pode surgir de qualquer lugar, a autora avança na vastidão das planícies dos temas proibidos, nas direções proibidas e toca o terror. Mas um terror nos acomodados, nos que se consideram ungidos.

Para todos os demais, ela faz um contraponto não de adjetivos. Mas com substância, com informações, com dados, argumentos. Normalmente devastadores. Paula Schmitt é uma espécie de Bolsa Família para os que estão abaixo da linha da pobreza da miséria intelectual e de debate que nos é imposta.

O livro, claro, só toca em espinhos: pandemia, vacinas, o controle de opinião do extinto Twitter (agora X), democracia, sistema eleitoral, Suprema Corte. A lista é grande, variada e, em comum, você pode concordar ou não com os artigos, mas com certeza irá reconhecer que Paula Schmitt não é bege. Nem cabe numa caixinha.

O mérito do livro e da autora é justamente tirar o debate de caixas. É acabar com a ditadura do que é certo e do que é errado, do que pode e que não pode. “Consenso Inc.” é a forma pessoal de Paula Schmitt de se referir ao Grande Irmão, de “1984” (o livro de George Orwell). É uma forma de denunciar a adesão espontânea e “fofa” a um controle social embalado em causas supostamente “nobres”, mas que antes de serem nobres são um exercício opressivo de imposição da verdade absoluta, embora adocicada.

Vocês vão ter que me engolir. Este é o resumo das nada banais análises de Schmitt em seu tonitruante “Consenso Inc”.

título: “Consenso Inc.: O Monopólio da Verdade e a Indústria da Obediência”

número de páginas: 288 páginas

autora: Paula Schmitt

editora: Avis Rara

data da publicação: 16.out.2023

preço: R$ 51,92 (Amazon)

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.