Conselho da Petrobras aprova saída de Prates e mais 2 executivos

Petrobras
Petrobras terá Clarice Copetti como presidente interina até a posse de Magda Chambriard

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou em reunião extraordinária nesta 4ª feira (15.mai.2024) a saída de Jean Paul Prates da presidência da estatal. Ele também deixará seu posto no conselho. A informação foi confirmada pela companhia em comunicado ao mercado. Eis a íntegra (PDF – 308 kB).

Prates foi demitido na 3ª feira (14.mai) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) depois de um longo processo de desgaste e fritura dentro do governo. Para o lugar dele, o Planalto indicou a engenheira Magda Chambriard, ex-presidente da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Até que o nome de Magda passe pelo rito de governança interno da Petrobras, o Conselho escolheu Clarice Coppetti para ocupar a presidência temporariamente. Ela é diretora de Assuntos Corporativos da Petrobras. Próxima do PT, é funcionária de carreira da Caixa Econômica Federal e foi vice-presidente de Tecnologia e Informação do banco de 2004 a 2011, nos governos Lula 1 e 2.

Clarice chegou a ser cotada pelo Planalto para o lugar de Prates em definitivo, assim como o presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Aloizio Mercadante. No entanto, Lula optou por Magda Chambriard, ex-presidente da ANP (Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural) nomeada por Dilma Rousseff (PT). 

Além de Prates, o Conselho também destituiu Sérgio Caetano Leite, diretor financeiro da Petrobras. Para o lugar dele, assumirá interinamente Carlos Alberto Rechelo Neto. Também foi demitido João Paulo Madruga, secretário executivo de Relações Institucionais. Os 2 eram ligados à Prates.

Há um longo processo para que Magda Chambriard de fato assuma a presidência da Petrobras. Isso torna necessária a escolha de um CEO interino. Há um rito de avaliação estabelecido no estatuto da companhia, como regras de governança da estatal e exigências da Lei das Estatais. 

Faz parte deste processo análises jurídicas, de gestão e de integridade da indicada. São feitas por órgãos internos da estatal, como o Comitê de Conformidade da Petrobras. Todo o rito pode durar mais de 1 mês. Só então o nome é levado para votação do Conselho de Administração e aprovação em assembleia de acionistas.

Chamado oficialmente pela Petrobras de “pedido de demissão negociado”, Prates foi demitido por Lula na noite de 3ª feira (14.mai). Foi o ponto final de uma longa fritura que o ex-senador vinha sofrendo no cargo. A permanência dele era vista como insustentável.

A decisão de demitir Prates já estava sacramentada por Lula há mais de 1 mês, segundo apurou o Poder360. Mas o petista esperou os holofotes da mídia saírem da Petrobras e os ânimos arrefecerem entre Prates e integrantes do governo para fazer o anúncio. Não queria que se tornasse uma crise interna.

Nos bastidores do governo, a leitura é que Prates cavou sua própria cova. Sua gestão já era vista com ressalvas por Lula por motivos como a demora em investimentos estratégicos para o governo, como em fertilizantes e em refinarias. Tudo piorou depois de 2 episódios:

Esses episódios foram a gota d’água para Lula perder a confiança no presidente da Petrobras. O Planalto esperou para encontrar um novo nome de confiança, que tivesse aceitação de setores do governo e alguma experiência no mercado de óleo e gás. Achou Magda Chambriard. E assim a demissão de Jean Paul Prates foi selada, ao tempo de Lula.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.