Confundir opinião com fake news prejudica regulação de redes

ilustração mostra o Palácio do Planalto e um balão com a expressão “fake news”
Na imagem, ilustração mostra o Palácio do Planalto e um balão com a expressão “fake news”

Já perdi a conta de quantos editoriais publicou o jornal O Globo em defesa da regulação das plataformas. Qualquer notícia é motivo para o assunto voltar a suas páginas. Saiu mais um na 4ª feira (15.mai.2024): 

“Os Parlamentos precisam acordar para a urgência do tema e os riscos da procrastinação ao tratar do assunto. É um estado de coisas que só beneficia as plataformas”.

Tem razão o jornal. Entretanto, os tropeços e a politização do tema não ajudam em nada. Pelo contrário, atrapalham o avanço da tramitação. Os críticos do PL 2.630 de 2020 são tachados de bolsonaristas e cupinchas das big techs. Seus apoiadores apadrinham as pechas, no modo nós contra eles.

Criam ondas de indignação nas redes enquanto políticos da situação e da oposição se acertam nos bastidores. Mas a pressão aumentou depois de Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, anunciar a criação de um grupo de trabalho e a troca do relator, o deputado Orlando Silva (PC do B-SP). 

O PT deve indicar o deputado Jilmar Tatto (SP). O congressista é secretário nacional de Comunicação do partido. O PC do B sugeriu o nome do deputado Orlando Silva. “Hoje, minha bancada decidiu propor o meu nome. Fico honrado com a confiança e aguardo os próximos capítulos. A luta continua!”, escreveu no X (ex-Twitter).

Em meio a tratativas de retomar o atrasadíssimo debate, o país foi assolado pelas enchentes do Rio Grande do Sul e o mar de fake newsque com elas surgiu. A Agência Lupa detectou o dobro da média de demandas de checagem só em seu WhatsApp, 300 por dia.

Sob a justificativa de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva está indignado, a Secom (Secretaria de Comunicação Social) do governo federal oficiou o Ministério da Justiça com um pedido para investigar o fluxo da desinformação nas plataformas sociais.

Assinado por Paulo Pimenta, hoje ministro extraordinário da reconstrução do Estado, o documento solicita:

“Que providências cabíveis sejam tomadas pelos órgãos competentes desse Ministério, tanto para a apuração dos ilícitos ou eventuais crimes relacionados à disseminação de desinformação e individualização de condutas quanto para reforçar a credibilidade e capacidade operacional das nossas instituições em momentos de crise.”

Analistas ouvidos pelo Poder360 avaliaram que o governo confunde opinião com fake news. Embora o jornal tenha feito importante comparação dos posts citados, a justificativa do ofício (PDF – 95,4 kB) dá o tom dos últimos levantamentos feitos pelo Monitor do Debate Político do Meio Digital da Universidade de São Paulo e pela Palver: tentativa de descredibilizar o governo. 

“Destaco com preocupação o impacto dessas narrativas na credibilidade das instituições como o Exército, a FAB, a PRF e os Ministérios, que são cruciais na resposta a emergências”, escreve Pimenta. Em outro trecho, chama de “criminosas” as narrativas e se queixa de “argumentos conspiratórios”.

Ninguém duvida da gravidade das notícias falsas, fartamente documentadas e corrigidas. Ninguém duvida da urgente aprovação da regulação das plataformas. 

Contudo, criminalizar opinião não impedirá a distribuição em massa desse tipo de conteúdo, sobretudo em redes fechadas, e resultará em mais munição à oposição, como estrilou o deputado André Janones (Avante-MG) no X: “PUTA QUE O PARIU!”

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.