Compass fecha acordo para distribuir biometano da São Martinho

Unidade Santa Cruz da São Martinho, no interior de SP, vai purificar o biogás produzido no processo de produção de etanol para transformar em biometano, que será distribuído pela Compass
Unidade Santa Cruz da São Martinho, no interior de SP, vai purificar o biogás produzido no processo de produção de etanol para transformar em biometano, que será distribuído pela Compass

A Compass, companhia de distribuição de gás natural do grupo Cosan, fechou acordo para distribuir biometano da empresa do setor agroindustrial São Martinho. O gás renovável será produzido na unidade de Santa Cruz, no município de Américo Brasiliense (SP) e adquirido pela distribuidora como uma nova alternativa de suprimento.

O contrato tem prazo de 5 anos, renováveis por mais 5, com volume médio de produção de 63.000 metros cúbicos de biometano por dia durante o período de safra (abril a novembro), a partir de 2025. O acordo foi anunciado na noite de 2ª feira (6.nov.2023) pela Compass. O valor do negócio não foi divulgado. Eis a íntegra do comunicado (PDF – 225 kB).

A Compass detém participação em distribuidoras de gás canalizado e gerencia esses negócios por meio de duas empresas: a Comgás, a maior distribuidora do Brasil, em São Paulo; e a Commit, uma joint-venture controlada pela Compass desde julho de 2022, tendo como parceira a sócia Mitsui.

Segundo as partes, este é o maior contrato do país, em volume, entre um produtor de biometano do setor sucroalcooleiro e uma comercializadora. A São Martinho tem capacidade aproximada de moagem de 27 milhões de toneladas por safra, sendo 24,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar e 2,5 toneladas de milho equivalente.

O biometano será produzido a partir da purificação do biogás produzido pela biodigestão da vinhaça de cana-de-açúcar, um resíduo proveniente da fabricação de etanol. A construção da planta de biometano foi anunciada pela São Martinho em outubro, com um investimento de R$ 250 milhões.

“Esse novo negócio está alinhado ao nosso plano estratégico e nos permite aumentar a rentabilidade por hectare cultivado e diversificar nossa receita em renováveis”, afirma Fabio Venturelli, presidente da São Martinho.

Segundo Nelson Gomes, presidente da Compass, a assinatura do contrato é mais um passo no processo de construção de um “portfólio de soluções cada vez mais completas e sob medida para os nossos clientes na direção de uma transição energética segura e eficiente para uma economia de baixo carbono”.

Recentemente, a Compass anunciou a emissão de R$ 1,7 bilhão em debêntures com metas ESG, sendo uma delas justamente aumentar o volume de distribuição de biometano. Em agosto, já havia anunciado um acordo com a Orizon para formar uma empresa com o objetivo de construir uma planta de biometano no aterro sanitário de Paulínia (SP).

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.