Casos de dengue e virose lotam unidades de saúde em Natal

A pandemia teve um arrefecimento e, neste momento, poucas pessoas estão buscando as unidades de saúde em decorrêcia da covid-19. Porém, os prontos-socorros dos principais hospitais de Natal, assim como as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) estão lotadas. O motivo é um surto de gripe e também aumento nos casos de dengue entre a população. Nesta segunda-feira (18), pelo menos dois dos maiores hospitais privados da cidade estavam com os PS cheios de pacientes.

No início de abril, o Boletim Epidemiológico Centro de Controle de Zoonoses de Natal apontou que os registros de casos de dengue, zika e chikungunya em Natal tiveram crescimento 407,6% entre os meses de janeiro e o início de abril de 2022, comparado com o mesmo período do ano passado. Até o dia 8 de abril, foram notificados 934 neste ano, contra 184 no mesmo período de 2021. Os casos de dengue foram os que tiveram maior aumento de registros (336,91%), seguidos pelo crescimento nas notificações de zika (266,67%) e chikungunya (75%).

Aliados a esses números, um surto de gripe tem sido observado na população, incluindo entre as crianças. Com isso, a demanda pelos serviços dos hospitais cresceu de maneira exponencial e, em alguns casos, unidades de saúde precisaram suspender temporariamente o atendimento à população.

O hospital Rio Grande e o São Lucas são alguns dos que confirmaram a necessidade de suspensão temporária em alguns momentos nos últimos dias, assim como o Hospital da Unimed, que no seu atendimento por telefone já informa que há a sobrecarga no atendimento devido à alta demanda de pacientes com doenças respiratórias. O mesmo tem ocorrido em outros hospitais, que optam pela suspensão temporária sempre que a demanda supera a capacidade física das unidades. Nesta segunda-feira, apesar da alta quantidade de pacientes, os serviços seguiam funcionando normalmente.

 

Do Tribuna do Norte