Cármen Lúcia critica “machismo”, mas não fala em negra no STF

Ministra Cármen Lúcia na última sessão plenária deste ano judiciário de 2021. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF
A ministra do STF Cármen Lúcia; ela participou do seminário "O Papel do Supremo nas Democracias", realizado pelo "Estadão"

A ministra Cármen Lúcia, do STF (Supremo Tribunal Federal), criticou nesta 3ª feira (14.nov.2023) a insistência de práticas “machistas” que oferecem oportunidades diferentes de acordo com o gênero no Judiciário.

Em sua fala ao seminário “O Papel do Supremo nas Democracias”, realizado pelo jornal O Estado de São Paulo, a magistrada defendeu que as mulheres não tenham apenas o direito de “se fazer se representar”, mas também de “se apresentar para participar de tudo na vida política”.

No momento da fala, Cármen respondia ao questionamento da plateia sobre a falta de representatividade de mulheres negras na Suprema Corte. A ministra afirmou que existem grupos específicos que sofrem mais com a falta de oportunidade nos espaços públicos, mas evitou se posicionar sobre a presença de uma negra no STF.

“Acho que, quando se faz referência a uma mulher negra hoje, é porque, mesmo entre nós mulheres que somos discriminadas, que sofremos preconceito porque somos mulheres, [existem diferenças]. Precisamos superar essa fase incivilizada dos homens nos tratarem como ‘parecidas’, e não igual a eles”, declarou a ministra.

Desde a aposentadoria de Rosa Weber do STF, no final de setembro, organizações da sociedade civil e grupos políticos têm pressionado o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pela indicação de uma mulher negra para a vaga em aberto. O petista, no entanto, já demonstrou que não usará raça e gênero como critérios para o nome escolhido.

Cármen Lúcia, que agora é a única mulher presente na Suprema Corte, defendeu que as mulheres lutem ativamente por sua presença nas instituições democráticas, ao dizer que quem já está no poder “não terá a boa vontade” de reparti-lo.

“O sistema Judiciário continua a ser muito preconceituoso, muito machista, que distingue, sim, homens e mulheres. Não necessariamente quando se faz o concurso público para os primeiros cargos, mas é no acesso e nas promoções internas que não temos as mesmas condições. Em parte porque temos uma grande distinção em termos de trabalho e de gastos com o tempo do cuidado da casa e da família”, declarou.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.