Campos Neto defende transição tranquila e sabatina em 2024

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, durante evento do Bradesco BB1
O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, durante evento do Bradesco

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, defendeu nesta 4ª feira (3.abr.2024) uma “transição tranquila” e a realização da sabatina do próximo presidente da autoridade monetária ainda em 2024. O mandato dele termina em 31 de dezembro deste ano e seu sucessor só poderá assumir o cargo depois de aprovado pelo Senado.

O principal cotado para assumir o cargo é o atual diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo, que foi indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele atuou como secretário-executivo do Ministério da Fazenda, ao lado do ministro Fernando Haddad (Fazenda), que já disse que a sucessão no BC será feita de modo “natural”.

Campos Neto participou nesta 4ª feira (3.abr.2024) de evento Bradesco BBI Brazil Investment Forum. Eis a íntegra da apresentação (PDF – 3 MB).

“Eu vou fazer a sucessão o mais suave possível. Eu acho que essa coisa de mudar de um governo para o outro e o governo que entra fala mal do outro e a gente tem uma transição que não é civilizada é muito ruim para a parte institucional do Brasil”, disse o presidente do BC.

Campos Neto declarou que é possível ter pensamentos diferentes, mas que sejam em prol do Brasil. “Eu prefiro discutir ideias a pessoas”, declarou.

Ele ainda afirmou que seria bom fazer a sabatina do escolhido pelo governo Lula ainda em 2024. “Seria bom fazer esse ano, porque, senão, passa para o outro ano. E aí tem um problema, porque o meu mandato termina dia 31 [de dezembro]. Se um diretor for ser presidente interino ele vai ter que passar por sabatina também, mas aí não tem sabatina, porque o Congresso está fechado”, disse.

Campos Neto afirmou que o prêmio de risco nos ativos financeiros com a sucessão do BC “diminuiu bastante” e que as decisões de taxa Selic têm sido unânimes. Ele disse que, para ser presidente do BC, é necessário ter firmeza.

Eu diria que a coisa mais importante para quem senta na cadeira hoje é ter a firmeza de dizer não quando necessário. Vai ser necessário. Sempre é em algum momento”, disse. “Os ciclos [político e monetário] são diferentes. Os desejos são diferentes. Os entendimentos sobre o que é bom vão ser diferentes. Então, é importante ter firmeza, dizer não e explicar para fora [do BC], completou.

O Copom (Comitê de Política Monetária) –formado por Campos Neto e os 8 diretores do Banco Central– decidiu reduzir a taxa Selic para 10,75% ao ano. Sinalizou uma redução de 0,5 ponto percentual no próximo encontro, em maio.

O anúncio do BC foi o 6º seguido de redução de 0,5 ponto percentual. A autoridade monetária indicou que desacelerará o ritmo de cortes a partir de junho, segundo a ata do Copom.

O RTI (Relatório Trimestral de Inflação) mostrou que há 19% de probabilidade de a inflação ficar acima da meta, que é de 3%. O intervalo permitido é de 1,5% a 4,5%.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.