Calor faz consumo de energia bater recorde pelo 2º dia seguido

lâmpadas
Consumo de energia elétrica tem aumentado exponencialmente por causa da onda de calor no país

A onda de calor em várias regiões do Brasil fez com que o país registrasse recorde no consumo de energia elétrica pelo 2º dia seguido.

De acordo com dados do ONS (Operador Nacional do Sistema), a demanda no SIN (Sistema Interligado Nacional) ultrapassou os 100 mil MW por volta das 13h30 desta 3ª feira (14.nov.2023). Às 14h24, houve um pico de carga no sistema de 101.434 MW.

O consumo ultrapassou o recorde anterior observado na 2ª (13.nov), às 14h17, quando a carga atingiu o patamar de 100.955 MW. Até então, havia sido a 1ª vez na história do SIN em que a carga havia superado a marca de 100 mil MW. A maior marca antes desta semana era de 97.659 MW, medida em 26 de setembro de 2023.

A principal razão para este comportamento da carga é a significativa elevação de temperatura verificada na maioria do Brasil, segundo o ONS, que estima uma alta média de 11% no consumo de energia em novembro.

O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) emitiu alerta de grande perigo, que vale até 4ª (15.nov), por risco a saúde pela previsão de temperaturas 5 °C acima da média. O aviso é válido para São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

Com as temperaturas mais altas, é natural que haja aumento no consumo de energia, puxado por maior uso de aparelhos de refrigeração.

O cenário provocou um aumento na produção das usinas térmicas, que têm o papel de dar segurança ao sistema elétrico. Nesta 3ª (14.nov), as termelétricas atingiram pico de carga gerada de 13.823 MW, às 17h14.

No momento em que o recorde de consumo foi registrado, o atendimento à carga era feito por 60.094 MW de geração hidráulica, 11.776 MW de geração térmica, 9.653 MW de geração eólica e 19.354 MW de geração solar.

Segundo a Abraget (Associação Brasileira das Geradoras Termelétricas) na 2ª as usinas termelétricas contribuíram com 10.000 MW para atendimento a demanda do sistema, devido a elevada temperatura.

“As usinas termelétricas cumpriram o seu papel para a segurança elétrica do Sistema Interligado Nacional. Isso demonstra claramente a tese defendida pela Abraget, de que a matriz elétrica ideal é aquela que reduz as emissões de carbono, mantendo a segurança elétrica e energética do SIN”, diz a entidade em nota.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.