Brasil deve participar da Opep+ como observador, afirmam Prates e Marina

Jean Paul Prates
O formato estudado por autoridades brasileiras é que o país faça parte da entidade na condição de aliado, assim como a Rússia e o México

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou que se Brasil entrar na Opep+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados), terá um papel de observação de decisões. O Brasil passaria a participar das reuniões como uma espécie de membro observador, o que eu acho muito legal”, disse.

Segundo Prates, a entrada do Brasil no grupo seria fundamental para os esforços de transição energética da Opep e do Brasil. No entanto, o país não estaria sujeito à cota de produção de petróleo.

“Jamais participaríamos de uma organização que estabelecesse cotas [de produção] para o Brasil. A Petrobras, é uma empresa aberta no mercado e não pode ter cotas”, afirmou à Reuters em reportagem publicada nesta 6ª feira (1º.dez.2023).

A informação foi endossada pela ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva. Ela afirmou que o Brasil participará do grupo só como “observador”. A ministra, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), participa da COP28, realizada em Dubai.

Na 5ª feira (30.nov), o Brasil recebeu 1 convite para integrar a Opep+ em janeiro de 2024. O governo avalia a entrada no grupo. O formato estudado por autoridades brasileiras é que o país faça parte da entidade na condição de aliado, assim como a Rússia e o México.

A condição de aliado não faz com que o Brasil seja um integrante permanente do bloco, mas permite que o país participe das reuniões e atue na construção de políticas internacionais relacionadas ao comércio mundial da commodity.

São integrantes permanentes da Opep+:

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.