Bancos de desenvolvimento são aliados de exportações brasileiras

Letreiro com a sigla do BNDES
Articulista afirma que propostas legislativas que dificultam o sistema de crédito à exportação brasileira prejudicam a inserção do Brasil no cenário internacional; na imagem, fachada do BNDES

O financiamento às exportações é essencial para assegurar a competitividade internacional das empresas brasileiras. Esse mecanismo consiste no desembolso de recursos destinados às empresas nacionais para a execução de serviços no exterior, sendo o pagamento do empréstimo de responsabilidade do país importador.

Com esse apoio, as empresas exportadoras brasileiras conseguem expandir suas operações, buscando oportunidades de vender seus produtos ou serviços em outros mercados; e os bancos atuam no fortalecimento da indústria nacional, ao mesmo tempo em que promovem crescimento econômico e criação de empregos.

As exportações, em si, envolvem diversos fatores de risco e incertezas relacionadas ao câmbio, às questões geopolíticas e às próprias disparidades entre mercados distintos. Assim, o crédito às exportações constitui-se em uma operação de alto risco e longo prazo, que é ampliado em setores de alto valor agregado, como no financiamento a produtos, serviços ou projetos relacionados à infraestrutura e ao maquinário pesado.

Como existe uma lacuna na oferta de crédito privado a projetos estratégicos para o desenvolvimento nacional com maior risco e prazo de investimento, os bancos públicos de desenvolvimento assumem o papel de viabilizar esses financiamentos, realizando cerca de 90% das operações de crédito às exportações. Isso é feito por meio de diferentes instrumentos de política comercial, como a equalização de taxa de juros e a contratação de seguros, em que o Estado garante as operações.

Na conjuntura internacional, é prática comum empregar instrumentos financeiros e linhas de financiamento destinados às exportações para a promoção da atividade comercial a fim de impulsionar a abertura de mercado junto a parceiros comerciais que têm limitações no acesso a crédito. Nesse contexto, bancos de desenvolvimento são amplamente utilizados.

São 91 dos 526 bancos de desenvolvimento existentes os que realizam operações internacionais. Dessas instituições, 54 têm mandatos focados exclusivamente no financiamento das exportações e importações do país, os chamados bancos Exim (sigla para “exportações” e “importações”).

A exemplo de Alemanha, Suíça e Canadá, a prática dos bancos Exim é muito difundida entre os países desenvolvidos e industrializados. No começo do ano, por exemplo, o banco estadunidense Export-Import Bank of the United States forneceu a garantia para um empréstimo do Citibank à Embraer, com o objetivo de financiar compras da empresa com fornecedores dos EUA, por conta do papel estratégico do Brasil no mercado de aviação comercial.

No caso brasileiro, não temos um banco focado exclusivamente no financiamento do comércio exterior, mas temos o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) como principal financiador das exportações brasileiras. Sua linha para esse objetivo, o BNDES Exim, representa o principal instrumento de financiamento à exportação no país.

De 2010 a 2021, o BNDES Exim desembolsou mais de US$ 106 bilhões para o financiamento de exportações de bens e serviços brasileiros, sobretudo industriais. Com apoio majoritário a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), o banco apoiou mais de 1.500 organizações brasileiras a exportar para 48 países no período, com destaque para os EUA, cujas exportações receberam US$ 19 bilhões em financiamento.

Os desembolsos do BNDES Exim, entretanto, têm tido redução acentuada. Desde 2010, já houve uma queda de 87% no volume financiado e a participação do programa nos desembolsos do banco também caiu. A estagnação dos instrumentos de apoio às exportações no país ocorre não só na redução dos desembolsos e incentivos a esses programas, como também na falta de aprimoramento e modernização das ferramentas já existentes.

Para deixar o cenário futuro ainda mais incerto, existem inúmeras propostas em circulação no Congresso Nacional para restringir o financiamento dos bancos públicos no exterior. Caso entrem em vigor, podem atrasar significativamente os esforços de promoção do desenvolvimento econômico e da política externa que o país possa vir a realizar, bem como aumentar os custos da política de comércio exterior, por causa da importância do apoio às exportações para o crescimento da economia e a missão da neoindustrialização do país.

Enquanto outros países diversificam suas ferramentas e ampliam sua capacidade financiadora a esses projetos, propostas que dificultam o sistema de crédito à exportação brasileira prejudicam a inserção do Brasil no cenário internacional.

A ausência de participação do Brasil em operações de financiamento em outros países pode reduzir a competitividade da indústria brasileira, prejudicar as exportações e inibir investimentos estrangeiros por aqui, comprometendo o posicionamento do país como estratégico para oportunidades de investimento em projetos de desenvolvimento sustentável.

É fundamental, portanto, que haja esse aproveitamento de possibilidades de criação de negócios, para que possamos fortalecer as relações comerciais, favorecer a indústria e criar empregos no Brasil.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.