Auxiliares acreditam que Lula deve atuar de forma pragmática para manter relação bilateral com a Argentina

O presidente Lula durante eveno no Palácio do Planalto
O presidente Lula durante eveno no Palácio do Planalto — Foto: Evaristo Sá/AFP

Auxiliares de Luiz Inácio Lula da Silva acreditam que o presidente brasileiro atuará de forma pragmática para manter a relação com a Argentina sob o comando de Javier Milei, eleito neste domingo.

A linha de atuação do governo daqui por diante pôde ser vista na postagem feita por Lula logo após Sergio Massa reconhecer a derrota na noite deste domingo.

“Desejo boa sorte e êxito ao novo governo. A Argentina é um grande país e merece todo o nosso respeito. O Brasil sempre estará à disposição para trabalhar junto com nossos irmãos argentinos”, postou Lula no X, ex-Twitter.

A avaliação no Palácio do Planalto é que a eleição de Milei terá mais impacto no futuro do Mercosul e da Unasul, já que o novo presidente argentino se coloca contra esses organismos. Auxiliares de Lula também acreditam que o processo de entrada da Argentina nos Brics, aprovada na última cúpula do bloco em agosto, também será paralisado.

Integrantes do governo afirmam de modo reservado que o clima é de “frustração” com o resultado das eleições. O sentimento é que Javier Milei vai manter um discurso agressivo contra o PT. Contudo, o novo presidente argentino também deve recorrer ao pragmatismo e deixar as relações comerciais entre os dois países fluírem normalmente, porque há interesses em comum.

Em relação à preocupação com o futuro do Mercosul, a diplomacia brasileira deve concentrar esforços para acelerar o acordo entre o bloco comercial e a União Europeia. Isso poderia ser atrativo para o novo governo de Milei, segundo um integrante da equipe econômica do governo.

Outra preocupação do governo brasileiro é com o resultado das eleições presidenciais nos Estados Unidos, diante do fortalecimento da candidatura do ex-presidente Donald Trump. Caso Trump saia vitorioso, Milei deve radicalizar o discurso e a postura, segundo um governista, impulsionado candidatos da direita em todo o mundo.

Apesar da torcida para o candidato argentino Sergio Massa, outro integrante do governo brasileiro admite que “só por um milagre” ele venceria Milei, diante da situação em que se encontra o país, com inflação beirando a 150%.

Fonte: O Globo

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.