Atos pró-Palestina em SP e Brasília pedem cessar-fogo em Gaza

ato chama a atenção para a morte de crianças em Gaza
Performance na Avenida Paulista, em São Paulo chamou atenção para morte de crianças

As cidades de São Paulo e de Brasília tiveram, no domingo (12.nov.2023), atos pró-Palestina e pelo cessar-fogo na Faixa de Gaza. Em São Paulo, o evento na Avenida Paulista começou às 11h em frente à Praça Oswaldo Cruz e seguiu até o Mas (Museu de Arte de São Paulo), finalizando por volta das 14h. Em Brasília, o ato ocorreu no Eixo Norte, no Plano Piloto, a partir das 10h.

O ato em São Paulo foi organizado pela Frente em Defesa da Luta do Povo Palestino e contou com a participação de partidos políticos e movimentos sociais. Um dos gritos entoados pelos manifestantes era: “Estado de Israel, Estado assassino! Viva a luta do povo palestino!

Um dos organizadores do ato na capital paulista, Mohamad El Kadri foi presidente do Fórum Latino Palestino e contou que esse é o 5º ato a favor da Palestina em São Paulo desde o início dos conflitos entre Israel e o Hamas, em 7 de outubro. Para ele, os eventos servem para informar à sociedade sobre a causa do povo palestino.

As mobilizações levam para as pessoas conhecimento sobre a causa palestina. Aqui no Brasil, as pessoas não conhecem bem o motivo da causa palestina. Inclusive, o trabalho da mídia é muito parcial, eles não entrevistam representantes da comunidade palestina e da sociedade árabe. Uma senhora na manifestação falou que nem imaginava que Israel ocupa a Palestina por 75 anos”, disse.

Para Mohamad, os atos também servem de alento aos palestinos na Faixa de Gaza: “Tudo que a gente faz no Brasil, a gente manda para os palestinos em Gaza e na Cisjordânia. Isso para eles é muito importante, eles veem que não estão sozinhos”.

Uma performance de mulheres simulando carregar crianças mortas em panos manchados de vermelho chamou atenção do público. A ideia é denunciar o elevado número de morte de crianças pelos bombardeios de Israel.

Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, o número de crianças mortas desde 7 de outubro chegou a 4.506 no domingo (12.nov). Com isso, uma criança morre a cada 10 minutos no enclave palestino.

Em Brasília, o ato foi organizado pelo Comitê de Solidariedade ao Povo Palestino, que reúne partidos políticos e movimentos sociais. O presidente do Instituto Brasil Palestina, Ahmad Shehada, foi um dos organizadores deste que foi o 6º ato de rua em Brasília a favor da causa palestina.

Shehada nasceu em um campo de refugiados na Faixa de Gaza, tem familiares na zona de guerra, e afirmou que esses atos são uma resposta às agressões de Israel.

A causa palestina é de toda a humanidade, é uma causa justa. O povo está sensibilizado contra esses ataques contra as crianças, contra os hospitais”, disse.

A professora Eliene Bento Luiz, de 58 anos, foi ao ato em Brasília por acreditar que é importante mostrar para o governo que a sociedade brasileira está atenta ao que acontece na Faixa de Gaza.

Isso não quer dizer que somos antissemitas, pois sabemos o quanto o povo judeu sofreu ao longo da história. Queremos, sim, que o povo palestino seja respeitado. Se deve haver punição, que seja ao grupo Hamas, não com morte e sangue de inocentes e crianças”, disse.

Manifestações pró-Palestina também ocorreram em diversas cidades pelo mundo no final de semana. Em Londres, na Inglaterra, um ato reuniu mais de 300 mil pessoas no sábado (11.nov).

Foram registradas manifestações pró-Palestina e pelo cessar-fogo em Bruxelas (Bélgica), Berlim (Alemanha), Genebra (Suíça), Barcelona (Espanha) e Austrália.

Com informações da Agência Brasil.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.