As nuances da transição energética

energia elétrica
Articulista afirma que contexto mundial mostra que não é possível fazer transição energética reduzindo-se a oferta de energia; na imagem, linhas de transmissão de energia

Em meio às diversas discussões sobre transição energética e a importância de uma matriz mais limpa, tem ocorrido a volta dos investimentos em combustíveis fósseis. Alguns eventos mundiais trouxeram o entendimento de que no processo de transição energética não podemos reduzir a oferta de energia. Caso contrário, não será possível atender ao trilema: sustentabilidade, segurança energética e acesso à energia pelas camadas de mais baixa renda.

Até a pandemia, existia uma preocupação quase que exclusiva com sustentabilidade, que deixava de lado a questão da segurança de abastecimento. A questão da segurança volta para a mesa em função de uma série de dificuldades que começa com a pandemia, responsável por uma grande desorganização na cadeia produtiva mundial, seguida por guerra entre Rússia e Ucrânia e, agora, o conflito entre Hamas e Israel.

Esse novo cenário traz de volta o protagonismo dos combustíveis fósseis, em particular, do petróleo e do gás natural. Essa volta se dá num contexto de redução da oferta, ocasionando preços elevados tanto do petróleo como do gás natural.

Isso ocorre, porque nos últimos anos houve uma queda nos investimentos das grandes petroleiras privadas, que sofreram muita pressão dos grupos ambientalistas. De certa maneira, também houve a volta da atmosfera dos choques do petróleo, criando a Opep+, incluindo a Rússia por meio do símbolo de +.

O petróleo e o gás natural, então, passam a ser os financiadores da Rússia na guerra com a Ucrânia. Os fundos árabes entram em destaque como grandes investidores em todos os segmentos da economia, revivendo a época dos “petrodólares”. Até no futebol, os fundos árabes entraram comprando estrelas como Neymar e Cristiano Ronaldo.

Com os preços do petróleo elevados, todas as empresas do combustível passaram a dar lucros extraordinários e pagar muitos dividendos aos seus acionistas. Com o caixa cheio, as big oils foram às compras e, dessa vez, em plena transição energética, investiram um volume gigantesco não em energia renovável, mas na compra de empresas de petróleo.

A Exxon comprou a Pioneer, numa operação semelhante à que fez quando adquiriu a Mobil e a Chevron comprou a Hess. As duas operações juntas custaram a bagatela de US$ 120 bilhões. As duas aquisições trazem, também, a volta da importância dos campos de shale nos Estados Unidos e a novidade do petróleo da Guiana. A Pioneer tem grandes campos de shale e a Hess, além do shale, tem campos na Guiana.

Moral da história. O açodamento de grupos ambientalistas em demonizar os fósseis trouxe de volta:

Mas mostrou, também, que não dá para fazer transição reduzindo a oferta de energia.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.