Após cerco, tropas de Israel entram no hospital Al Shifa, de Gaza

Smoke rises as displaced Palestinians take shelter at Al Shifa hospital, amid the ongoing conflict between Hamas and Israel, in Gaza City, November 8, 2023. REUTERS/Doaa Rouqa
© Reuters

Tropas israelenses entraram no maior hospital de Gaza nesta quarta-feira (15) e vasculharam seus quartos e porão na culminação de um cerco de dias que deixou o mundo preocupado com o destino de milhares de civis presos no prédio.

O hospital Al Shifa (foto), na Cidade de Gaza, tornou-se o principal alvo de uma operação por terra das forças israelenses. Elas dizem que soldados do Hamas têm o coração das suas operações em um quartel-general em túneis embaixo do prédio, o que o Hamas nega.

Israel afirmou que suas tropas descobriram armas não especificadas e infraestrutura de terror dentro do hospital, após matar soldados em um conflito no lado de fora. Uma vez dentro, afirmam que não houve embates ou atrito com civis, pacientes e funcionários.

O Exército publicou fotos de um soldado ao lado de caixas de papelão marcadas como suprimentos médicos e comida para bebês, em inglês, em um local que a agência de notícias Reuters verificou ser dentro do hospital. Outras imagens mostraram tropas israelenses em formação tática passando por tendas e colchões improvisados.

A atenção do mundo se voltou ao destino de centenas de pacientes presos dentro do hospital, sem energia para operar equipamentos médicos básicos, e milhares de civis desabrigados que haviam buscado abrigo no local. Autoridades de Gaza afirmam que muitos pacientes, incluindo três bebês recém-nascidos, morreram nos últimos dias por causa do cerco de Israel às instalações.

“Antes de entrarem no hospital, nossas forças foram confrontadas por dispositivos explosivos e equipes terroristas, houve combates em que terroristas foram mortos”, disse o Exército israelense.

“Podemos confirmar que incubadoras, comida para bebês e suprimentos médicos trazidos por tanques das Forças de Defesa de Israel (IDF) chegaram ao hospital Shifa. Nossos soldados que falam árabe e equipes médicas estão no local para garantir que eles [suprimentos] cheguem aos necessitados”, afirmou o Exército israelense.

O cirurgião Ahmed El Mohallalati disse à Reuters – por telefone na manhã desta quarta-feira – que os funcionários se esconderam durante os combates ao redor do hospital durante a noite passada. O som daquilo que ele descreveu como tiros contínuos dos tanques podia ser ouvido ao fundo enquanto ele falava.

Após “horríveis” barulhos de conflitos, “um dos grandes tanques entrou no hospital pelo principal portão leste e [os demais] foram simplesmente estacionados na frente do pronto-socorro do hospital”, revelou.

Os israelenses haviam antecipado à administração do hospital que planejavam entrar, afirmou. As tropas ainda não haviam entrado no prédio principal, onde ele estava abrigado.

Após cinco dias durante os quais disse que o hospital foi repetidas vezes atacado por israelenses, foi um alívio pelo menos chegar a um “ponto final”, com tropas agora dentro do prédio e não atirando contra ele, disse o médico.

“Estou horrorizado com as informações sobre operações militares no hospital al-Shifa, de Gaza. A proteção dos recém-nascidos, pacientes, profissionais da saúde e de todos os civis deve ter precedência sobre todas as outras questões”, disse Martin Griffiths, diretor do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha), em publicação no X, antigo Twitter.

*  É proibida a reprodução deste conteúdo

Fonte: Agência Brasil

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.