Analistas veem custo para reduzir inadimplência no Bradesco

Fachada de agência do Bradesco
Fachada de agência do Bradesco

O presidente-executivo do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, afirmou que o banco atingiu o ápice do índice de inadimplência no 3º trimestre –de 6,1% ante 5,9% de junho e 3,9% de setembro de 2022. O momento, agora, é de normalização do crédito e da margem com clientes, em sua visão.

O banco reportou lucro líquido recorrente de R$ 4,62 bilhões no 3º trimestre, uma retração de 11,5% ante igual período do ano passado, com carteira de crédito relativamente estável e margem financeira inferior.

“Nos últimos trimestres, esperávamos que o Bradesco mostrasse duas coisas em sua divulgação de resultados: uma parada na piora da inadimplência e uma margem financeira positiva com o mercado. Quando isso finalmente aconteceu, surgiu uma nova preocupação: o NII (margem financeira) com os clientes”, alerta a XP Investimentos em relatório divulgado aos clientes e ao mercado.

A XP mencionou queda da margem financeira com clientes, a maior desde 2017, atribuída “a um mix de produtos mais desfavorável, spreads mais baixos e crescimento mais lento da carteira de crédito”, elencam os analistas Bernardo Guttmann, Matheus Guimarães e Rafael Nobre.

Segundo o BB Investimentos, o balanço foi negativo, com lucro líquido recorrente de R$ 4,62 bilhões, equivalente a um ROE (retorno sobre o patrimônio) trimestral de 11,4%. “O resultado foi favorecido pela tesouraria, que passou a operar no positivo, e pelas menores despesas com provisões no trimestre, em linha com a queda marginal da inadimplência sentida no período, mas contraposto pela menor margem financeira com clientes (receitas de juros)”, avalia o analista do Banco do Brasil Rafael Reis, que questiona os custos da queda na inadimplência do banco.

Ao mirar na inadimplência, o banco passou a sofrer com fraqueza do crescimento da carteira e das receitas com clientes. “Apesar da melhora na inadimplência, temos evidências de que o momento desafiador do ciclo de crédito no Bradesco deve ser mais duradouro do que anteriormente antecipado”, disse Reis. O BB Investimentos possui recomendação neutra para o banco, com preço-alvo de R$18,40.

Para o Itaú BBA, o balanço misto demonstra fragilidade. O lucro líquido de R$ 4,6 bilhões veio aproximadamente em linha com a projeção do banco, de R$ 4,3 bilhões, mas o trimestre foi fraco em receitas, com crescimento da carteira de crédito inferior aos pares.

“A razão para a pequena queda do lucro líquido foi uma redução de 11% na base trimestral nas despesas de provisão, mas a qualidade desta melhoria não é grande, uma vez que a cobertura caiu novamente. O lado positivo do trimestre é a queda na formação de NPL e os indicadores avançados positivos no varejo”, indica o Itaú BBA, que considera que o fundo do banco já teria passado, mas que ainda será preciso enfrentar os desafios para a retomada da rentabilidade.

O Itaú BBA segue com classificação market perform para o Bradesco, com preço-alvo de R$ 16.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.