Adilson Paschoal, uma luz na agronomia brasileira

Articulista afirma que Paschoal era um estudioso aplicado, que se impunha pelo saber; na imagem, professor Adilson Paschoal durante evento de relançamento do livro “Pragas, praguicidas e a crise ambiental”

Perdemos o professor Adilson Paschoal, um visionário da agronomia brasileira. Seus ensinamentos mudaram o controle de pragas e o uso de produtos químicos nas lavouras do país.

Morto aos 82 anos, o engenheiro agrônomo, nascido em Casa Branca, no interior paulista, começou a lecionar na Esalq, de Piracicaba, em 1969. Com doutorado em ecologia e conservação de recursos naturais pela Universidade Ohio nos Estados Unidos, o professor Paschoal publicou em 1979 um dos mais importantes livros sobre agricultura no Brasil: “Pragas, praguicidas e a crise ambiental”.

Sua formação eclética, aliada à sua perspicácia, levou a que, pela 1ª vez, o conhecimento sobre a estabilidade dos ecossistemas fosse utilizado para a compreensão do fenômeno das pragas agrícolas. O conceito, pioneiramente, havia sido formulado por Eugene Odum, considerado fundador da ecologia, em seu magnífico livro “Ecologia” (1963).

Paschoal utilizou o conceito de “agroecossistema” e assim escreveu há mais de 40 anos:

“Ao reduzir a diversidade e ao colocar juntas plantas de uma mesma espécie e em extensas áreas, o homem favorece a reprodução de certos herbívoros (insetos) os quais, na presença de poucos competidores, e inimigos naturais, vêm a constituir populações numerosas, passando a ser considerados pragas.

“Flutuações drásticas de populações passam a ser frequentes, com repercussão em todo o agroecossistema, havendo destruição das culturas. Os agricultores recorrem aos produtos químicos, reduzindo ainda mais a estabilidade do sistema, fazendo com que novas erupções de pragas voltem a ocorrer com maior intensidade”.

Essa questão é crucial na história: ao dominar territórios para a produção de alimentos, a agricultura simplifica ecossistemas complexos e cria instabilidade ecológica, que desencadeia o surgimento de pragas. Como controlar as pragas se tornou, assim, o maior desafio da agronomia moderna.

O professor Paschoal atestou sua tese com os primeiros dados conhecidos no Brasil sobre essa perversa dinâmica: até 1958, relatavam-se 193 pragas na agricultura nacional; em 1976, já haviam surgido 400 novas pragas atacando as lavouras. A conclusão dele era de que o desequilíbrio ecológico, determinado pelos praguicidas, causava o aumento das pragas no campo.

Na verdade, a origem do problema reside na expansão das áreas cultivadas para se atender a demanda por alimentos. E esse consumo tem sido puxado pelo crescimento populacional e pela urbanização, ou seja, depende da civilização. Desde o Império Romano se relatam pragas nos cultivos.

Na época em que publicou seu livro, Paschoal estava impactado pela repercussão de um outro livro, bem mais famoso, intitulado “Primavera Silenciosa, de Raquel Carson. Lançado nos EUA, em 1962, mostrava os efeitos contaminantes do inseticida DDT, o 1º ingrediente sintético utilizado no controle de pragas agrícolas. Por ser do grupo químico dos organoclorados, sua persistência no meio era elevada, ou seja, suas moléculas dificilmente se biodegradavam.

Além da teoria, o professor Adilson Paschoal se preocupava com a prática. Ao final de sua premiada monografia, ele apresentou 12 recomendações técnicas, que influenciaram fortemente o então movimento político dos agrônomos:

A partir dessa movimentação, tudo começou a mudar para melhor. O inseticida DDT foi proibido em todo o mundo, inclusive no Brasil, em 1985. A nova legislação brasileira (lei 7.802 de 1989), estabelecia todas as regras apregoadas pelo professor, que tiveram amplo apoio. Foi nesse momento que se firmou o termo “agrotóxicos”, preferido por Paschoal, como referência aos produtos químicos utilizados no controle de pragas.

Os debates entre os profissionais da agronomia, ocorridos naqueles anos, acabaram constituindo 2 tendências:

Eu conheci meu colega Adilson Paschoal no final da década de 1970, em reuniões da Aeasp (Associação de Engenheiros Agrônomos do Estado de São Paulo). Ele falava manso, era formal e adorava gramática. Estudioso aplicado, se impunha pelo saber.

Adilson Paschoal foi uma luz na modernização, e na posterior tropicalização, do agro brasileiro.

Fonte: Poder360

© 2024 Blog do Marcos Dantas. Todos os direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.