Zika é improvável nos próximos anos

O Zika atingiu seu potencial máximo de contaminação em apenas um ano e essa proteção imune “coletiva” seria suficiente para conter o surto e impedir que aconteça um surto novamente até que a população atual tenha sido substituída por novos nascimentos ou pela migração. Essa é a conclusão do estudo realizado por pesquisadores do Laboratório de Pesquisa em Infectologia (LAPI) da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

A pesquisa, que foi realizada em colaboração com universidades e laboratórios europeus, demonstrou, através de modelagem matemática e pesquisas de campo, que a possibilidade de um surto de Zika similar ao episódio de 2015 a 2016 é altamente improvável em futuro próximo.

“Devido à taxa altíssima de infecção no período de um ano, e de acordo com modelo matemático desenvolvido em colaboração com uma equipe do Reino Unido, podemos afirmar que a possibilidade de um novo surto é muito pequena. Muitas pessoas já adquiriram imunidade com o primeiro surto”, diz o professor de Infectologia da Faculdade de Medicina Carlos Brites, coordenador da pesquisa que resultou em um artigo publicado na terça-feira, 14 de novembro, na mBio, periódico científico da Sociedade Americana de Microbiologia, a ASM.