Vereador André Luiz se defende das acusações do presidente da Câmara de São João do Sabugi


Nota enviada ao Blog do Marcos Dantas pelo vereador de São João do Sabugi, André Luiz Fernandes de Medeiros:

Recebi com surpresa a notícia de que tive meu nome citado em entrevista concedida pelo Presidente da Câmara de São João do Sabugi, na qual ele me coloca como principal vereador a cobrar pelo aumento dos salários. Diante do exposto, venho a público esclarecer os fatos.

Primeiramente, estou vereador em meu primeiro mandato e não tive direito a voto na aprovação do projeto de lei que concedia aumento de salário para a atual legislatura. Enquanto isso, o hoje presidente desta Casa Legislativa, era vereador e votou favorável ao Projeto de Resolução do aumento. Sendo assim, entre minha pessoa e a dele, fica notório quem queria o aumento.

É fato que o povo de São João é contrário ao aumento de salários, como também foi contra a aquisição de coxinhas, e nem por isso o presidente agiu alinhado à opinião pública, mantendo os salgados, enquanto a população queria o contrário. A realidade é que, pela lei aprovada, a Câmara de São João poderia pagar salários de até R$ 3.500,00 aos vereadores, mas hoje paga R$ 2.300,00 como o presidente mesmo disse. O Executivo repassa R$ 66.000,00 mensais à Câmara e existe previsão orçamentária para se pagar o salário de R$ 3.500,00. Quando a população é contra o aumento, ela deseja que a economia gerada com essa decisão se transforme em benefícios à sociedade, o que não vem acontecendo e é esse meu questionamento.

Com o não pagamento dos salários de R$ 3.500,00, gera-se uma economia em torno de R$ 9.000,00 mensais, já que são nove vereadores. Cobro do presidente para que transforme essa economia em benefícios para a sociedade. Em doze meses, nove mil reais renderiam R$ 108.0000,00 que poderiam ser devolvidos ao município para aquisição de mais uma ambulância, por exemplo. Não adianta economizar no salário dos vereadores se não transformar essa economia em benefício à sociedade.

Deixo claro ainda que, em nenhum momento, o então candidato a presidente Paulo Eduardo se comprometeu em dar o aumento. O que houve foi uma tentativa de montar uma chapa de coalizão, que seria inicialmente formada por dois representantes da bancada governista e dois oposicionistas, com o objetivo de construirmos uma Câmara voltada para atender os interesses da sociedade.

Tive meu nome citado pelo fato de ter participado da articulação para formação da chapa que elegeria Paulo Eduardo presidente para o biênio 2019/2020, fato que contraria os interesses do atual presidente, que, ao contrário do que diz, tinha sim interesse na reeleição, pois só isso justifica o fato de ele ter antecipado a eleição dando o prazo mínimo de 48h entre a convocação e a realização do pleito, o que dificultaria a formação de uma chapa oposicionista.

Como causa estranheza o fato de o mesmo ter pedido votos e agora dizer que não era candidato. Se o presidente não tinha interesse na reeleição, por que cancelou a eleição que ele mesmo convocou ao saber que o vitorioso seria Paulo Eduardo? Ainda mais sem apresentar qualquer justificativa para tal ato.

Encerro minhas palavras reiterando meu comprometimento com o povo de São João do Sabugi, e assumindo mais uma vez o compromisso de lutar pelos interesses da coletividade, deixo claro que os fatos narrados pelo presidente não correspondem com a verdade, não passando de uma tentativa desesperada de desviar o foco de sua pessoa e me colocar contra o povo da minha terra.

Que Deus ilumine a todos, um abraço e até breve!