Marcos Dantas

Secretário de Saúde de Natal diz que vai cortar ponto de grevistas


Nesta sexta-feira, os servidores da saúde de Natal foram até a Secretaria Municipal de Saúde, para buscar uma negociação sobre as três reivindicações da greve: salário em dia, correção da tabela salarial da Lei das 30 horas da Enfermagem e a implantação de adicionais e direitos negados (insalubridade, qüinqüênios, noturno, etc).

“Não estamos sequer pedindo a data-base vencida ou reajuste. Estamos pedindo o mínimo, que é receber em dia e ter os direitos implantados”, afirmou Célia Dantas, do Sindsaúde-RN. Além das reivindicações, o sindicato também questionou o secretário Luiz Roberto Leite Fonseca por ter anunciado que iria descontar os dias parados e por gestores estarem anotando os nomes dos que participam do movimento.

A audiência começou às 11h40, com a chegada do secretário. Após uma breve apresentação do sindicato, este falou longamente e afirmou que a Lei de Responsabilidade Fiscal impediria que a Prefeitura, em crise financeira, cumprisse com as obrigações com os servidores, como as 30 horas e os demais direitos negados. Em seguida, dedicou-se a atacar a greve, responsabilizar os servidores e o sindicato pela redução de atendimento e reafirmar que iria cortar o ponto. Em tom provocativo e autoritário, o secretário disse que “não deve haver greve em setor essencial” e que “quem quiser parar pode parar, mas vai ter o ponto cortado”.