Relatório revela qualidade da água ofertada à população em Natal


Relatório do Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para o Consumo Humano (Vigiágua), divulgado pelo Departamento de Vigilância em Saúde (DVS) de Natal nesta segunda-feira (12), revelou que 39,47% das 190 amostras coletadas entre maio e agosto no município apresentaram nível de cloro residual livre fora do padrão. Indicadores como coliformes totais e termotolerantes, nitrato, pH, cor aparente e turbidez da água também são analisados.

O cloro é um importante desinfetante bacteriológico que evita a proliferação de microrganismos patógenos na água. O fato do indicador estar em desconformidade com o padrão – o limite permitido varia entre 0,2mL a 2,0mL e qualquer valor acima ou abaixo é irregular, significa que a água consumida pela sociedade natalense está sem cloro e, portanto, pode causar doenças de veiculação hídrica, como diarreias, conforme o relatório.

O indicador relacionado ao potencial hidrogeniônico (pH), que identifica se a água está ácida ou alcalina, foi encontrado em desconformidade em 31,05% das amostras analisadas. Em terceiro lugar, aparece o parâmetro de cor aparente, encontrado fora dos padrões em 25 amostras, ou 13,15% do material analisado. Já os indicadores de nitrato e turbidez estavam irregulares em 14 amostras, cada.

O chefe da Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador (Visamt), Marcílio Xavier, explicou que, diferentemente dos outros, para os indicadores de coliformes totais e termotolerantes, foram analisadas 181 amostras, sendo identificadas 30 análises fora do padrão para a primeira, ou seja, 15,78% de coliformes totais em desconformidade e oito análises fora do padrão para o termotolerantes.

Bairros com maiores índices – Conforme o relatório, os bairros que apresentaram os maiores índices de desconformidade do indicador cloro residual livre foram Felipe Camarão, Lagoa Nova e Lagoa Azul. No caso do nitrato, Lagoa Azul, Ponta Negra e Petrópolis tiveram os maiores índices. E coliformes totais teve maior presença em Lagoa Azul, Felipe Camarão e Potengi.

Vigiágua – Programa do Ministério da Saúde, o Vigiágua tem por objetivo fazer o mapeamento de áreas de risco em determinados territórios para avaliação das características de potabilidade, para assegurar a qualidade da água ofertada à população e evitar a proliferação de doenças de veiculação hídrica.