Para construir obra de mais de 30 milhões, empresa só disponibiliza até agora dois funcionários


Comissão do Movimento de Atingidos reunida em Barra de Santana

Comissão do Movimento de Atingidos reunida em Barra de Santana

A comunidade de Barra de Santana, na Zona Rural de Jucurutu anda de “orelha em pé” com a atenção que as empresas Solo Moveterras Construções e Serviços LTDA e Consbrasil – Construtora Brasil LTDA vem dando a construção da Nova Barra de Santana e do Cemitério da Comunidade. As duas empresas integram o consórcio vencedor da licitação das duas obras, que estão orçadas em 34,6 milhões de reais.

Previstas para ser concluídas em 15 meses, contadas a partir da ordem de serviço, dada no último mês de Julho, até agora sequer o canteiro de obras foi instalado, e chama a atenção da população de Barra de Santana, a estrutura que o Consórcio vem disponibilizando, para uma obra com um volume financeiro empregado considerável.

 

Única construção até agora na nova Barra, com mais de um mês de obra iniciada

Única edificação até agora na nova Barra, com mais de um mês de obra iniciada

Até agora só tem dois funcionários trabalhando no Alto do Paiol, e sequer o canteiro de obras foi concluído. Os funcionários não tem a mínima condição de trabalho, sequer uma caixa d’água foi colocada no local, a água usada na obra vem de um buraco cavado na terra. A empresa começa a demonstrar não ter porte para tocar a obra”, disse Euzimar Gomes, integrante da comissão de moradores que acompanha a obra.

Reunidos na noite desta segunda-feira (12) com moradores da comunidade, o Movimento dos Atingidos e Atingidas decidiu ir à Justiça de Jucurutu na tarde desta terça, para exigir que o Governo do Estado cumpra os prazos acordados com o Distrito, principalmente com relação a construção do novo Cemitério e da Barra de Santana.

Construção do Cemitério também não avançou

Construção do Cemitério também não avançou