Michel Temer afirma que é contra anistia para prática de caixa dois

Em uma reunião com empresários e investidores estadunidenses em Nova Iorque, o presidente Michel Temer comentou nessa quarta-feira (21) sobre a proposta que prevê anistiar políticos que praticaram caixa dois. O ministro da secretaria de governo, Geddel Vieira Lima, afirmou que, pessoalmente, é favorável ao projeto. Geddel argumenta que se caixa dois for criminalizado, a pena não poderia ser aplicada a quem cometeu a infração antes da lei entrar em vigor. O presidente Temer disse que essa é uma opinião pessoal do ministro e não reflete a posição do governo. Segundo o presidente, ele foi pego de surpresa quanto ao projeto do caixa dois e que quando retornar ao Brasil vai analisar o caso.

Caixa dois é considerado um crime eleitoral, mas não penal. Nessa segunda-feira, foi pautado na Câmara um projeto para criminalizar penalmente o caixa dois e anistiar quem praticou a infração, mas a medida foi retirada de pauta após protesto dos partidos PSol e Rede. Temer também lamentou a saída de seis delegações latino-americanas durante o discurso dele na ONU. O presidente Temer estava em uma reunião do Conselho das Américas para tentar convencer os norte-americanos a investir no país. O presidente afirmou que o Brasil vive uma estabilidade política e que reformas fundamentais estariam avançando no Congresso nacional na área trabalhista, previdenciária e de gastos do governo. Questionado por jornalistas sobre a popularidades dessas propostas, Temer disse que não se importa em ficar com 5% de popularidade desde que consiga aprovar as medidas que entende serem necessárias.