João Santana e Mônica Moura acusam PT de pagar campanhas presidenciais com caixa dois

Em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro nessa terça-feira (19), o publicitário João Santana, marqueteiro das campanhas presidenciais de Lula em 2006 e Dilma em 2010 e 2014, apontou o ex-ministro Antônio Palocci como principal interlocutor financeiro para pagamentos de caixa dois. A empresária Mônica Moura, esposa de João Santana, também prestou depoimento. Ela era a responsável pelo movimento financeiro da empresa de publicidade do casal e disse que o ex-ministro era quem acertava pagamentos das campanhas do PT.

Mônica Moura confirmou ter recebido caixa dois nas três últimas campanhas presidenciais do Partido dos Trabalhadores. Segundo Mônica, não existe marqueteiro no Brasil que faça campanha sem receber por meio de caixa dois. Ela afirmou ainda que cerca de R$ 18 milhões dos pagamentos não contabilizados foram referentes às campanhas municipais, em 2008, das agora senadoras Marta Suplicy, do PMDB, e Gleisi Hoffmann, do PT.

A empresária também confirmou que todos os candidatos tinham conhecimento dos acertos financeiros. O depoimento do casal reforça as afirmações do ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht,  relatadas também a Sérgio Moro, em  que aponta Palocci como o “italiano” , responsável por gerir uma conta especial para pagamento de propina.

Palocci, João Santana, Mônica Moura, e o ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht, aparecem junto com mais 11 pessoas no mesmo inquérito. Eles respondem a processo por crime de corrupção e lavagem de dinheiro. Em nota, a senadora Gleisi Hoffmann disse que não solicitou contribuição para as campanhas aos executivos da Odebrecht e que as prestações de contas foram aprovadas pelo TRE.