“Inevitável e urgente é a necessidade de aposentar as oligarquias”, diz Magnólia Figueiredo

Servidora pública de carreira do Estado e da Prefeitura de Natal, a ex-atleta olímpica e presidente da Federação Potiguar de Atletismo, Magnólia Figueiredo, reagiu com indignação à declaração do senador Garibaldi Alves sobre o “pacote de maldades” enviado pelo Governo Robinson contra os servidores do RN.

“O Senador da família Alves foi até a imprensa e disse que as medidas do Governador Robinson são inevitáveis e ainda incentivou seus deputados-seguidores a votarem a favor do projeto do Governador. Como servidora pública de carreira, quero dizer que inevitável para nós que não fazemos parte de oligarquias é fazer uma reformulação completa nas bancadas federal e estadual que controlam nosso Estado há décadas. O Senador não deu um pio quando o governador, de forma delirante e eleitoralmente maliciosa, começou a espalhar restaurantes eleitoreiros e distribuir cheques de dinheiro para a população socialmente vulnerável no interior e em regiões de grave desequilíbrio social nas maiores cidades. A forma de pensar dos velhos políticos do Estado está ultrapassada e não acompanha o urgente sopro de modernidade que devemos dar ao Rio Grande do Norte”, desabafa Magnólia.

“É claro que a máquina pública do RN precisa de um ajuste. Sei que todos precisarão dar uma parcela de contribuição nesse ajuste. Mas, começar as mudanças nas costas dos servidores porque o Governo é fraco e não consegue enfrentar as grandes corporações na área jurídica e no próprio legislativo é covardia”, diz Magnólia, que entrou no serviço público como professora.