Marcos Dantas

Governo Robinson traça estratégia contra possíveis ataques após instalação de bloqueadores em Alcaçuz


Ainda na espera da Força Nacional, a cúpula de segurança pública do Rio Grande do Norte se prepara para responder a possíveis ataques ou rebeliões em unidades prisionais, devido a instalação de bloqueadores de sinal de telefonia celular na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, maior do RN. Na manhã de ontem, o Gabinete de Gestão Integrada (GGI), órgão do Governo do Estado que reúne representantes da segurança pública, do sistema penitenciário, do Tribunal de Justiça e do Ministério Público, começou a discutir o que poderá ser feito em caso de novas ocorrências.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Rio Grande do Norte (Sesed), o setor de inteligência do órgão está monitorando possíveis ações criminosas que possam surgir em virtude da instalação dos bloqueadores na Penitenciária de Alcaçuz. “Desde a instalação dos bloqueadores na Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP), quando começaram a ocorrer ataques, a Sesed vem monitorando possíveis atos criminosos. Este trabalho segue sendo realizado durante este processo de instalação do equipamento em Alcaçuz, em parceria com a Sejuc e os demais órgãos envolvidos”, informou a pasta através de sua assessoria de comunicação. Um possível plano de ação, contudo, só deverá ser fechado após a chegada da Força Nacional, cujo efetivo tinha previsão para chegar na noite de ontem em Natal.