Blog

Golpe do falso sequestro continua sendo aplicado na região do Seridó


De: Joselma Lucena
Assunto: Tentativa de extorsão

Caro Marcos Dantas, passamos por um susto grande agora a pouco, mas tudo acabou bem, graças a Deus. Ligaram pra minha mãe falando que tinham me sequestrado e pediram um resgate. Uma mulher, se passando por mim, falou chorando com mãe e disse que minha filha estava machucada. Mãe ficou muito nervosa. Ainda foi na lotérica depositar o dinheiro que tinha, mas lá acionaram a polícia, que chegou logo e resolveu. Vamos divulgar esse golpe para evitar que pessoas caiam, além do prejuízo financeiro o transtorno psicológico é terrível.

Artigo do Leitor: “A Verdade sempre prevalecerá”


Mesmo com as chuvas caída em 2017, ainda, estamos vivenciando uma das maiores e mais severas secas dos últimos anos no semiárido e na bacia hidrográfica do rio Pianco-Piranhas-Açu!

Em 2013 foi iniciada dentro do comitê estudo de cenários sobre a criticidade hídrica no sistema Curemas- Mãe Dagua e, tecnicamente se definiu pela necessidade de uma adutora para atender os 04 municípios do RN que eram abastecidas por esse sistema hídrico. O Governo do Estado do RN, incorporou essa proposta no seu plano emergencial e o projeto técnico da adutora foi elaborado pela Caern!

O governo federal acatou a proposta da adutora emergencial derivada da adutora da Serra de Santana, que capta água na barragem Armando Ribeiro Gonçalves! Desde o início a adutora emergencial foi pensada pra atende Caico, Jardim de Piranhas, São Fernando e Timbaúba dos Batistas!

Os 43 milhões estavam disponibilizados pra o governo do estado\Caern iniciar a adutora quando aconteceu o impeachment da presidente Dilma e assumiu o Temer!

Com esse acontecimento o PMDB do RN agiu junto ao governo federal retirando a construção da adutora da Caern e repassando a obra e os recursos para o DNOCS sobre seu controle político!

Essa é a verdade dos fatos! A única luta da cúpula do PMDB do RN no caso desta adutora, foi transferir o que já estava garantindo tecnicamente e financeiramente para outra instância executiva!

Que essa luta do sistema de gerenciamento dos recursos hídricos e a conquista desta adutora emergencial pela sociedade seridoense não seja transformada em moeda eleitoral em 2018!

Água não é favor, nem moeda de troca! Água é um direito humano fundamental e um dever do Estado! Não precisamente e nem queremos o retorno da indústria da seca que tanto humilhou e escravizou nosso povo lutador!

Engenheiro Agrônomo, José Procopio de Lucena- Articulador Estadual do Seapac e Presidente do CBH PPA

De coração… Feliz 2017


Frases que marcaram 2016


Voltamos…


Infelizmente nosso Blog www.marcosdantas.com foi invadido, misteriosamente neste final de semana. Apesar dos esforços de nossos programadores, as postagens dos últimos dez dias não foram recuperadas. Pedimos a compreensão de todos. A quem interessar possa, apagar banco de dados pode até ser moleza, difícil mesmo é apagar a coragem e determinação que nossa equipe tem, para continuar fazendo um JORNALISMO SÉRIO, SEM MEDO E SEM AMARRAS. Poderemos voltar ainda hoje.

Abraços,
Marcos Dantas e equipe

Feliz Natal a todos


“Um Novo Rumo Para O Brasil”: Por José Procópio de Lucena


José Procópio (José Bezerra) (2)O Brasil tem uma engenharia institucional muito complexa, onde Junta presidencialismo imperial, de cooptação, herdado dos estados unidos com pluripartidarismo cheio de fragmentação partidária e siglas de alugueis.  Temos um parlamento marcado  por clientelismo, oportunismo e fisiologismo políticos. Qualquer matéria pra ser aprovada precisa ter um agrado. Isso infelizmente tornou-se um método de governo de todos os partidos, inclusive, do PT. O executivo não consegue aprovar uma agenda política capaz de gerar mudanças e desejos sociais.

O congresso hoje é extremamente conservador, retrógrado e direitista. A Crise de representação parlamentar aumenta cotidianamente. As vozes das ruas ecoam com a crise do parlamento, ausência de políticas públicas, cortes de direitos,  desemprego e a corrupção sem limites nas diferentes instancias do Estado Brasileiro. Temos novidade na luta social, nenhum movimento segue cartilha. Alguns são anarquistas. Eles não confiam na classe política atual que dirige o Brasil nas 03 esferas de governo e agem sem tutela. Entendo que temos esgotamento dos ciclos econômicos dos governos lula e Dilma e um esgotamento político do PT. Vivemos uma crise de governabilidade.

O PT está mal acompanhando com o PMDB. Um partido de direita, sem direção, aproveitador, construído por oligarquias regionais e chantagistas. O Brasil hoje é refém dos especuladores do mercado financeiro. Este ajuste fiscal tem como maior vertente garantir os interesses dos agiotas financeiros e a conta vai pra costa dos trabalhadores. Depois das opções e traições do PT existe um ressentimento político na população brasileira. Ela entende que fazer política é um negócio sujo pra gente safada, ladrona, pra se dar bem. Entendo ser equivocado esta leitura, porém, é bom lembrar que a política brasileira é patrimonialista, nascidos na casa grande pelas famílias poderosas e iluminados.

Pra piorar este quadro tivemos a ditadura militar que endividou o estado brasileiro e proibiu a luta por direito, criminalizando os movimentos e fechando os sindicatos para garantir a acumulação do capital e impedir participação popular nos destino do país. Na ditadura tudo era controlada e os escândalos eram proibidos. Ditadura nunca mais. Neoliberais do PSDB, nem pensar. Modo petista de governar, também não. O Brasil precisa de uma saída pela esquerda, com justiça, ética na política, igualdade, sustentabilidade, democracia e liberdade.

Engº Agrº José Procópio de Lucena
Militante Ecossocialista 

Educação na Rede – “Multiculturalismo: formação plural”


multiculturalism

O multiculturalismo, em nossa sociedade, permite o encontro das tradições com o modernismo da contemporaneidade. Imaginar o modismo posto pelos antepassados e desfrutar, destes, dentro de um presente é sancionar o atestado de permanência firma das práticas e exercícios estabelecidos a uma educação conservadora.

A monocultura, na historicidade educacional brasileira, fundamenta uma prática nunca abolida, porém, desmistificada, muitas vezes, pelo relativismo proclamado, porém, não praticado, mascarando as perspectivas existenciais dos indivíduos.

Comunicação e cultura popular na construção da cidadania baseada na formação continuada de uma mistura de cores, raças, crenças e costumes, além de modos de agir, pensar, transgredir e vivenciar a ordem e o respeito estabelecido é fruto de uma comunidade eclética. Não é preciso enxergar aquilo que não se pode ver, porém, é calunioso, difamador e, criminalmente falando, abuso de poder estabelecer um único pensamento diante vários.

Como bem pontua Freitas (2012) “uma educação monocultural não está preocupada com a diversidade, pelo contrário, mascará-la é mais confortável”. O recorte da sociedade é transferido pelas poucas palavras da autora, uma educação onde a formação curricular impossibilita as práticas construtivas e inovadoras, baseadas nas multiculturas existentes, afasta a formação plural tão necessária ao enfrentamento conservador.

Educar na sociedade do conhecimento é estabelecer a interculturalidade nos ambientes educativos, contribuindo para uma formação que contemple a diversidade entre os pares e instruindo as mudanças ocorridas ao longo do século (re)pensando e (re)ordenando as atitudes conservadoras na desmistificação dos gêneros conservadores  de um mundo tão moderno.

Prof. Me. Petrúcio Ferreira

“Tricotilomania: compulsão por arrancar os próprios cabelos” – Por Graça Leal


foto Graça LealNão estamos falando aqui da expressão “estou arrancando os cabelos” que muitas vezes nos indica um estado de desespero. Esta é utilizada num sentido figurado. Mas nos referimos a um ato que, muitas vezes, passa despercebido por quem o comete. Todos nós certamente já puxamos os cabelos enquanto sonhava acordado ou pelo menos os enrolou nos dedos enquanto refletia sobre alguma coisa. Outros de nós arrancamos um ou outro fio por motivos estéticos. No entanto, parece estranho que uma pessoa arranque seus cabelos diariamente, às vezes durante horas, até a cabeça estar repleta de pontos calvos. Contudo, em 1889 o médico francês François Henri Hallpeau (1842-1919) descreveu um paciente que puxava os cabelos aos tufos. Ele chamou o fenômeno de “tricotilomania” (do grego trico = cabelo, fio; tillo= arrancar). O reconhecimento de que se trata de um quadro patológico específico surgiu apenas no fim do século 20.

A Tricotilomania tem como característica básica é o impulso de, no mínimo, durante alguns períodos, de puxar cabelos ou pelos. Parte das pessoas afetadas por essa compulsão seleciona os fios objetivamente. Por exemplo, os cabelos brancos, os que ficam em pé ou que parecem desarrumados. Outros os puxam de forma inconsciente e automática, e só percebem o gesto mais tarde. É típico da tricotilomania o ato de “brincar” com os cabelos arrancados.

Por muito tempo, os médicos subestimaram a disseminação do problema, pois, entre outros motivos, vários pacientes não o revelam por vergonha. Acreditava-se que pouco mais de meio milésimo da população era afetado. Hoje sabemos que a tricotilomania não é tão rara.

Segundo diversos estudos epidemiológicos realizados, mulheres e homens são afetados com a mesma frequência. Quase sempre o arrancar de cabelos leva ao surgimento de pontos de calvície, que as pessoas tentam encobrir com penteados, perucas ou cosméticos. Mas os pelos existentes em outras partes do corpo também podem ser vítimas do transtorno.

Outras patologias podem surgir associadas à tricotilomania. As mais comuns são depressão, transtorno de ansiedade e abuso de álcool. Algumas pesquisas, realizadas recentemente, afirmam que 6% dos sintomas surgem ainda na infância, antes mesmo dos seis anos. Contudo na maioria dos casos os sintomas iniciam na adolescência entre 11 e 15 anos e ocasionalmente o distúrbio se manifesta só na idade adulta.

Não podemos citar uma única causa para a tricotilomania. Existem influência tanto de aspectos psicológicos e sociais, como neurobiológicos e genéticos que podem desencadear o problema. Havendo muitas vezes uma combinação desses fatores.

Em parte dos pacientes o transtorno se inicia por este enfrentar problemas dentro da família, ou na escola, ou dificuldades de relacionamento. O ato de arrancar o cabelo é sentido como uma distração, uma forma de diminuir a tensão.  Com ajuda para combater esse transtorno temos a ajuda da psicoterapia e para alguns pacientes a troca de experiências, o apoio mútuo de grupo terapêuticos também podem ajudar. Seja qual for o caminho a compulsão deve ser controlada.

Graça Leal – Psicóloga Clínica e Educacional, Especialista em Saúde Pública

“Transtorno de Depressão Recorrente” – Por Graça Leal


Transtorno de Depressão RecorrenteA depressão é uma doença que se caracteriza por um período mínimo de duas semanas em que a pessoa se sente triste, melancólica ou “para baixo”, com sensações de aperto no peito (angústia), inquietação (ansiedade), desânimo e falta de energia. O paciente permanece apático, perde a motivação, acha tudo sem graça ou sem sentido, torna-se pessimista e preocupado. Tal estado afeta o organismo como um todo e compromete o sono, o apetite e a disposição física. A manifestação do quadro clínico varia de pessoa para pessoa. A depressão pode ser intermitente ou contínua, durar algumas horas ou um dia inteiro, semanas, meses ou anos. Além disso, a intensidade do sofrimento costuma mudar ao longo do tempo. Também existem diversos tipos de depressão que se diferenciam por suas características. Um desses tipos é o Transtorno de Depressão Recorrente.

O Transtorno de Depressão recorrente se caracteriza pela ocorrência repetida de episódios depressivos, correspondentes ao quadro descrito acima. Costuma aparecer periodicamente, por exemplo, cada ano, cada dois anos. Esses episódios podem ser desencadeados por algum trauma, porém, frequentemente, surgem sem uma causa específica. O primeiro episódio do transtorno depressivo recorrente pode ocorrer em qualquer idade, da infância à velhice, podendo ser um início agudo ou insidioso, podendo durar de semanas a meses.

O tratamento inclui medicamentos que são os antidepressivos. Ao contrário do que se pensa essa medicação não entorpece o paciente ou o incapacita, principalmente se o tratamento for cuidadosamente acompanhado pelo médico. A psicoterapia ajuda o paciente na reestruturação psicológica do indivíduo, além de aumentar sua compreensão sobre o processo de depressão e na resolução dos conflitos, diminuindo, assim, o estresse. Se observar algum desses sintomas procure ajuda profissional.

Graça Leal – Psicóloga Clínica e Educacional, Especialista em Saúde Pública

“Os trabalhadores e o povo pobre estão pagando a conta da crise” – Por Procópio Lucena


José Procópio (José Bezerra) (2)Estratégia política ou não, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) o ganancioso presidente da Câmara dos Deputados, anunciou formalmente o rompimento político com o governo Dilma. O motivo desta celeuma: O delator lobista Júlio Camargo afirmou que Cunha recebeu propina de US$ 5 milhões da operação Lava-Jato. As denúncias de corrupção contra Cunha são antigas e antes dele ser deputado envolvendo PC Farias aquele do escândalo que derrubou o então presidente e hoje senador Fernando Collor de Melo, denunciado novamente por corrupção. Ai residente o problema do governo Dilma, fazer aliança e buscar governabilidade com força políticas retrograda, oportunista e conservadora, como Sarney, Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Pastor Feliciano, Paulo Maluf, Delfim Neto, Collor de Mello, Michel Temer, Henrique Alves, Kátia Abreu e outros feras comprometidas única e exclusivamente com a economia capitalista.

A corrupção, a crise econômica e política do Brasil é fruto da opção e escolhas feitas pelo PT. Fez um acordo e uma aliança política entre capital e trabalho para ganhar a eleição e governar o país. É justamente por isso que o governo petista e a oposição de direita burguesa representada pelo PSDB estão atuando em perfeita unidade e sintonia para tirar direitos dos trabalhadores e do povo pobre através do ajuste fiscal,  PL 4330, as MPs 664 e 665, aumento do tempo para o trabalhador se aposentar e a  diminuição do salário do trabalhador em caso de redução da jornada. Os trabalhadores e o povo pobre são os que estão pagando a conta da crise da economia gerada pela ganância de lucros dos banqueiros, grandes empresários, agronegócio e pela política econômica adotada pelo governo petista e seus aliados. 

Do meu ponto de vista político ideológico, tenho certeza absoluta que a solução não seria o Aécio Neves do PSDB e seus aliados, pois, já governaram por oito anos o Brasil e foi catastrófico, quebrou e vendeu quase todo o país, trouxe desemprego generalizado, mazelas sociais imensas para a classe trabalhadora e a corrupção foi desenfreada. Quando vejo a falsa e hipócrita indignação dos caciques do PSDB esbravejarem que a corrupção tomou conta do país, esquecem que ela começou e não parou até hoje, deste o governo de FHC na compra de votos para garantir a sua reeleição. Outra atitude cínica é quando o Aécio Neves denuncia o financiamento de campanha da presidente Dilma com recursos das empresas envolvidas com a operação Lava Jato. Porém, o mesmo recebeu dinheiro das mesmas empresas. Sua argumentação descarada, em valores um pouco menor. Corrupção e crime eleitoral do mesmo jeito.

No meu entendimento a classe trabalhadora e o povo pobre deste país se quiserem garantir direitos, justiça, igualdade e sustentabilidade precisam se livrar politicamente e dá um basta ao PT, PSDB, PMDB…. e seus aliados. A saída é pela esquerda e precisamos de unidade política, acumular forças e organização para as futuras, longas e difíceis lutas que certamente virão. Concluo esta pequena reflexão lembrando Pedro Tierra: Mas ninguém se rendeu ao sono. Todos sabem (e isso nos deixa vivos): a noite que abriga os carrascos, abriga também os rebelados.Em algum lugar, não sei onde, numa casa de subúrbios, no porão de alguma fábrica se traçam planos de revolta.

Saudações Ecossocialista
Engº Agrº  José Procópio Lucena – Presidente da comissão provisória do PSOL\Caicó

Repercussão das declarações de Salomão Gurgel e Leleu Fontes ao Blog do Marcos Dantas


“Salomão Gurgel fala como se pessoas que pertencem a uma igreja ou defende uma religião não é cidadão de direitos. Um estado laico protege todas as crenças, inclusive não quer destruir seus valores, pois da mesma forma que a igreja não pode impor seus dogmas sobre o estado, o estado não pode fazer leis que prejudicam qualquer religião. Que fique bem claro, ninguém ali estava querendo impor nada para ninguém, a não ser o Plano que queria veladamente introduzir através da palavra gênero uma agenda de desconstrução do conceito tradicional de gênero, que muitas pessoas tem denunciado. Dizer que sexo não se discute na escola é falácia, os professores já estão fazendo isso e só serve para reforçar o comportamento libertário e promiscuo das crianças e jovens. Esse senhor é infeliz quando compara um apoio de religiosos a derrubada de um veto sobre um assunto extremamente polêmico, com o fundamentalismo islâmico. Nós temos o direito de estar onde a gente quiser nessa cidade, principalmente da casa do povo”.
Divino Félix

“Cabe ressaltar que LAICO não é sinônimo de SEM RELIGIÃO, é sim, não ter uma religião oficial o que não se prega em uma escola pois a escola é órgão fundamental de uma sociedade e nela estão sujeitos múltiplos com crenças, valores e religiões. Como excluir religião da escola? A questão da ideologia de Gêneros não está posta como um ponto religioso mas sim, como algo fundamental para o desenvolvimento da personalidade dos nossos alunos no que tange ao fato de ele nascer Masculino ou Feminino, fato com provado cientificamente XY e XX. A Ideologia de Gêneros é uma aberração!”
Pablo Castro

“A câmara municipal e Caicó estão de parabéns, pala a derrubada do veto do prefeito Roberto germano. Parabéns a todos os vereadores que tiveram a sensibilidade e o discernimento de interpretar uma arma camuflada e tão ofensiva para os nossos filhos, famílias e futura geração. Essa ideologia de gênero não passa de uma falácia. Parabéns Caicó!”
Pastor Junior silva

“Vergonhoso para Caicó esses vereadores não entenderem de educação”
Maria Goreti

“Parabenizo a sabedoria do Dr. Salomão nesta análise e lamento profundamente a postura da maioria da Câmara. Estou envergonhada! É bom para irmos definindo com clareza quem pode continuar nos representando!”
Bernadete

Educação na Rede: “A Escola Brasileira”


80224697622173453Toda instituição escolar necessita de uma estrutura interna. A estrutura organizacional das escolas no Brasil diferencia-se de acordo com as legislações de Estados e Municípios e, conforme as concepções de organização e gestão adotadas. No início do século XXI, a aceleração dos avanços tecnológicos, a globalização e as transformações nas relações de trabalho, trouxeram mudanças para as políticas de gestão e de regulação na educação do Brasil.

O estudo da escola como organização de trabalho não é novo, há toda uma pesquisa sobre administração escolar que remonta aos pioneiros da educação nova, nos anos 30. Esses estudos se deram no âmbito da Administração Escolar e, frequentemente, estiveram marcados por uma concepção burocrática e funcionalista, aproximando a organização escolar da organização empresarial. A escola no Brasil tem-se enquadrado num modelo de Burocracia Profissional, característica de organizações que atribuem grande importância aos profissionais da produção, a quem é atribuído um elevado grau de autonomia, ideal para um sistema essencialmente normativo onde o principal objetivo é a produção com fins reprodutivos.

A escola, enquanto instituição social é parte integrante da sociedade na qual está inserida. Assim, estando a sociedade organizada sob o modo de produção capitalista, a escola enquanto instância dessa corporação contribui tanto para manutenção desse modo de produção, como também para sua superação, tendo em vista que é constituída por relações sociais contraditórias. Desta forma, a administração escolar brasileira é, atualmente, vista por alguns como mediação, ou seja, como elemento mediador entre os recursos diversos existentes na instituição escolar (humanos, financeiros, materiais, pedagógicos, entre outros) e a busca dos seus objetivos (a formação cidadã).

Prof. Me. Petrúcio Ferreira

“Transtorno de ansiedade”: Por Graça Leal


foto Graça LealA Ansiedade em si é um fenômeno normal, comum a qualquer ser humano. Ela pode se constituir uma reação normal a uma situação desestabilizadora ou que possam causar temor as pessoas, pois nos acompanha em nosso desenvolvimento, em experiências novas, mudanças, etc. Essa ansiedade que podemos chamar de admissível apresenta também sintomas como taquicardia, aumento da frequência respiratória, alteração da pressão arterial, sudorese, entre outros. Diversas vezes em nossa vida uma dose equilibrada de ansiedade nos é solicitada pelo organismo quando há a necessidade de nos defender de situações ameaçadoras ou quando precisamos ter atitudes mais incisivas.

Contudo existe, atualmente, uma questão importante: quando a ansiedade por se caracterizar como um transtorno ou apresentar sinais de patologia? Isso pode acontecer principalmente quando o indivíduo apresenta os sintomas da ansiedade sem que haja, necessariamente, um motivo real, objetivo e que justifique tal reação. O transtorno de ansiedade pode se tornar uma possibilidade quando alguém apresenta uma reação ansiosa inapropriada ou de duração prolongada a um determinado acontecimento.

A ansiedade se caracteriza como patológica segundo a seguinte classificação: transtorno de pânico, transtornos fóbicos, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de estresse pós-traumático, transtorno de estresse agudo, transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de ansiedade induzido por substâncias, transtorno de ansiedade devido a uma condição médica geral.

O indivíduo que está acometido de algum tipo transtorno de ansiedade não perde a comunicação com o seu mundo real. Muito pelo contrário, ele tem plena consciência do que está sentindo e do quanto isso não está relacionado com sua situação de fato. Esse aspecto costuma, muitas vezes, agravar sua situação. O surgimento do transtorno de ansiedade em uma pessoa pode se dar por diversos fatores como biológicos, psicológicos. Por esse motivo o tratamento deve incluir medicamentos e psicoterapia, com o objetivo de trabalhar cada um desses fatores da forma correta.

Graça Leal – Psicóloga Clinica, Especialista em Saúde Pública. 

Educação na Rede: “Educação a distância, uma realidade”


Foto-os-limites-da-educação

As inovações tecnológicas surgem de maneira avassaladora, em um meio, que até então dependia único e, exclusivamente, do docente para o exercício prático de difusão do conhecimento junto ao corpo discente. Educar em uma sociedade do conhecimento é está inserido dentro de um universo repleto de realidades diversas, no entanto, podendo transmitir uma abordagem mais significativa, junto aos mecanismos de informação e comunicação existentes em nosso cotidiano.   

Favorecendo ao ensino-aprendizagem novas técnicas foram postas para os novos aprendizes. Um beneficiamento relacionado à ciência, educação e tecnologia, fez com que o aluno pudesse está inserido dentro do meio sem ter que se deslocar a outra estrutura física que não a sua casa.              

As articulações elementares retratando o novo papel que o professor assume como autor, tutor e avaliador de um processo fundamentado no aluno apresentam uma conjuntura baseada em ciência e tecnologia e suas articulações com a educação. O mestre oportuniza uma ampliação de conhecimentos sobre essas novas ferramentas, demonstrando tamanha eficiência quanto a modalidade presencial de ensino.

A educação a distância oferta uma interação e colaboração aos princípios educacionais, uma discussão compreendida engajada na resolução e compartilhamento de construção do conhecimento e de prática de vida comum. O sujeito é produto do meio, portanto, ao acompanharmos essas mudanças somos levados a compartilharmos de amadurecimentos e significados, junto à ação, colaboração, interação e solução de uma aprendizagem virtual proporcionada pelo envolvimento dos participantes.

Prof. Me. Petrúcio Ferreira

“Indústria da Seca Requintada”: por Procópio Lucena


José Procópio (José Bezerra) (2)Cínicas e cômicas as atitudes de agentes políticos de poder: Depois de quatro anos de invernos irregulares e açudes sem recargas com grave crise e conflitos intensos para os múltiplos usos da água, os políticos copa do mundo chegam ao Seridó em seus carrões importados sem nenhuma solução e acreditando no quando pior melhor para garantir suas próximas eleições. 

A Indústria da Seca que alimenta a corrupção e a politicagem se mantém com força e muito requintada. Com gente jovem que nunca viveu e nem conhecem o drama das secas, mas, sabe espertamente como tirar proveito dela. Afinal, aprenderam minuciosamente com seus familiares(que nunca saíram do poder) como se manterem na vida pública com a miséria do povo.

Depois de 04 anos eles não sabiam que os açudes do Seridó estavam quase todos secos. Que a seca chegou às cidades e que antes estava apenas na zona rural. Não sabiam que houve perda da safra e que os rebanhos estão sendo dizimados por falta de políticas públicas que eles mesmos são responsáveis e não agiram por que não lhes beneficiam diretamente. Não entendem que precisamos no semiárido de investimento público estruturante e permanente independente de seca ou inverno para estocar água de diversas formas, fazer reuso e uso racional, combater o desperdício, utilizar novos métodos de irrigação..etc. Diante do descaso dos agentes públicos seremos obrigados a aprender com nossas próprias tragédias a lidar com a escassez de água.

Infelizmente fomos educados a achar que água é um bem da natureza infinito e que nunca ia faltar. Nesta crise que estamos passando surge à necessidade de novos comportamentos e atitudes de consumo, como também vem á tona a questão do planejamento e gestão dos órgãos públicos que diante do cenário de seca prevaricaram de suas funções e estão levando populações urbanas e rurais a um colapso hídrico generalizado.

O quadro é assustador e precisamos todos cuidar agora, pois, se em 2016 a chuva não for suficiente para fazer uma recarga dos reservatórios poderemos ver a falência total de nossas cidades e campo no Seridó. Todos sabem que sem a água não á vida, não há produção agrícola, criação de animais, indústria, serviços de saúde, educação, construções….etc. Finalmente, que possamos tirar lições e repensar nosso modelo de vida em sociedade, que estão baseadas no consumo exagerado e na exploração ilimitadas dos bens comuns da natureza.

Eng. Agr. José Procópio de Lucena.
Articulador Estadual do Seapac/Presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piancó-Piranhas-Açu.

Educação na Rede: “O desafio das palavras”


nuvem_menor

Palavras apenas palavras, umas se transformam, outras modificam o sentido da vida, aquelas pronunciadas, anteriormente, geram grandes desafios, afinal de contas, o que seria do homem sem a palavra? Questionamento complexo de responder, porém, a comunicação facilita o verdadeiro desafio das palavras. Exercer a escrita, em nossa atualidade, requer habilidades em um repleto universo das letras. As mudanças ortográficas, postas, prejudicam o aprendizado de anos, ou melhor, forçam todos a ter que repensar a sua escrita, em conformidade com as alterações propostas.

Criar e recriar, novos modelos, permitem desafios constantes àqueles que não tiveram acesso de qualidade a produção da escrita. Repensar, novas formas e modelos, é compreender as sábias palavras de muitos ‘não preciso saber escrever, você precisa apenas entender o que eu quis dizer’. A incompreensão do que foi falado é fato consumado em um recorte da sociedade brasileira, afinal, os meios sociais de comunicação de massa prejudicam a escrita, pois, a economia de caracteres contribui para o fortalecimento do erro e da criação de vícios linguísticos.

As atividades corriqueiras e a limitação de letras fortalecem, cada vez mais, estas afirmativas prejudicando, veementemente, os desafios da humanidade em seu problema maior que é a utilização das palavras, que não geram ambiguidade, que não sejam incompreensíveis. No entanto, compete-nos a realizar um aprendizado naquilo que um dia foi apreendido de maneira salutar e humilde, pois, ainda há sempre tempo para aprender, mesmo aquilo que um dia foi concebido.

Prof. Me. Petrúcio Ferreira

Leitor tem vez e voz no Blog do Marcos Dantas


Bartolomeu dos Anjos Sales

Então, já que temos o apoio do Presidente da Assembleia Legislativa, quando afirmou: “A seca está castigando a população dos municípios do interior e a produção rural do Estado está em crise. Precisamos de soluções definitivas e isso só irá acontecer com pressão popular e política”, eu pergunto: O que estamos esperando para começar a pressionar a CAERN, em Jardim do Seridó, para que, a exemplo do que foi feito em administrações anteriores, distribua a água dos poços do Catururé, através de suas tubulações, evitando dessa forma o flagelo de sermos, diariamente e por tempo indeterminado, submetidos à carga pesada do carregamento de água, pesada e sob sol forte, já que as previsões de chuvas para 2016 não são nada animadoras? Minha gente, deixemos de ser passivos e conformistas!

Será que existe alguma justificativa capaz de abonar tamanha omissão? Ou o nosso povo gosta mesmo de sofrer?!? Nisso eu não acredito. Bastaria que pagássemos uma taxa condizente com o consumo, para a manutenção do serviço da CAERN. Sei que há fatores a serem considerados e providências a serem tomadas, tecnicamente falando, porém há possibilidades, todos nós sabemos disso. Se há possibilidade, logicamente é viável. Quem estaria por trás de tanto “conformismo” que levará o povo a enfrentar filas sob um sol causticante? Se o argumento for a “potabilidade” da água, já estamos, há muito tempo, sem utilizar a água da barragem para consumo humano, apenas para atividades secundárias.

E agora? Alguém ainda tem vontade de continuar nessa brincadeira de “vote em mim, que eu lhe dou isso ou aquilo”??? Acorda, pessoal! Ou os nossos parlamentares agem em prol da extinção dessa calamidade, ou não sei qual seja o sentido de uma “ditadura democrática”, que garante qualidade de vida apenas para um restrito grupo de privilegiados que, com certeza, não passarão pela mesma crise que nós, nos anos que nos esperam, pois têm como se safar dessa!Pensem nisso! E digo mais: É restrito o grupo em cada território, mas é imenso, no contingente do país.

Quem foi que determinou esse absurdo? Nós mesmos, certamente, através da nossa vergonha perante aqueles que nos intimidam e nos oprimem com o seu “status quo”! Qual será o futuro dos seus filhos? As promessas do ENEM? O que é, afinal, uma ditadura? Se, além do arrocho que as altas taxas (luz, combustível, etc.) nos impõem, tivermos de só tomar banho quando os poderosos deixarem, muito em breve seremos chicoteados por eles. É só o que falta, para que a maioria acredite naquilo que não quer ver!

ESTAMOS PECANDO, COLETIVAMENTE, E O PECADO SOCIAL É ALGO BEM TRISTE! JÁ LEVOU MUITOS INOCENTES À MORTE, AO LONGO DA HISTÓRIA!!!

Educação na Rede: “Aprender a apreender”


1081695_519020634839964_1106189154_nA construção do nosso conhecimento passa por inúmeras transformações ao realizarmos as fases de desenvolvimento pessoal. Uma reflexão norteadora parte da análise das fases em que nós somos submetidos desde o nascimento à fase adulta. Estudar Vygotsky, Piaget, Wallon e Freud estimulam a aptidão para o enfrentamento diário da dinâmica posta ao desenvolvimento infantil. Porém, a compreensão, por parte dos profissionais da educação, é tamanha ferramenta, contextualizada, dentro de uma teoria e prática aplicada no seu caminhar profissional.

As formações proporcionadas pelo descobrimento da aprendizagem revelam uma contribuição de funcionalismo, para que fazer? E o que fazer? Sempre pautado no estruturalismo da consciência e no associacionismo das ideias para a concepção da aprendizagem. Construir os conhecimentos já adquiridos é um tanto que complexo, em virtude, daquele que foi trazido de casa para dentro do ambiente escolar. Adaptá-los é o caminho mais propício, uma vez que, a aprendizagem é constante dentro de uma teoria construtivista. Nada solidificado contribui, porém, a quebra de paradigmas, estipulados por práticas passadas a uma tentativa de sobrevivência no universo educacional, é desafiadora para a consciência humana.

O entendimento, das práticas de evolução, está pautado na psicologia da educação, principalmente, nas fases de desenvolvimento descritas por Piaget, no entanto, o acompanhamento familiar é fundamental para uma base estruturada, proporcionando um maior aprendizado à criança em crescimento. Aprender a apreender, o novo, o velho e o que ainda está por vir é a vertente constante em nosso cotidiano, porém, compete-nos a estimulação do ensino/aprendizagem para os que formarão o futuro de nossa nação.

Prof. Me. Petrúcio Ferreira